Notícia de Viana

200 Visualizações

Publicada em 29/05/2020 19:39:30

Medidas preventivas evitaram explosão de casos de Coronavírus em Viana, revela estudo


Medidas preventivas evitaram explosão de casos de Coronavírus em Viana, revela estudo

Um estudo publicado no último dia 27 de maio revelou que o distanciamento social e outras medidas preventivas adotadas no município evitaram cerca de 18.700 infecções pelo Novo Coronavírus. Hoje, Viana registra 270 casos de Covid-19, 47 suspeitos, 161 recuperados e sete óbitos.


Os dados foram levantados pelo físico e professor Sidcley Pereira Gomes, Mestre em Engenharia Elétrica com pesquisa na área de Processamento Digitais de Sinais na Universidade Federal do Maranhão. O estudo projetou o cenário e a curva de infecção onde os moradores circulavam normalmente pela cidade, sem nenhuma medida restritiva.


A estimativa é baseada em Modelos Compartimentais que Simplificam a Modelagem Matemática de Doenças Infecciosas (SIR), em tradução livre do inglês, que estima a quantidade de pessoas que podem ser infectadas por um indivíduo contaminado em uma cidade com 52 mil habitantes, como a cidade de Viana.

Os cálculos foram feitos levando em consideração os registros oficiais monitorados pela Secretaria de Saúde desde o início do acompanhamento da situação da pandemia no município, como números de casos ativos e não ativos.


A simulação descrita pelo gráfico acima mostra que, caso a população de Viana não houvesse tomado as medidas de distanciamento social, haveria cerca de 18.700 infectados em apenas 60 dias, levando em consideração a data de publicação do estudo, 27 de maio.

O resultado do estudo pode indicar também a subnotificação dos casos no município. As subnotificações acontecem porque, ou as pessoas infectadas são assintomáticas, ou os sintomas foram tão leves que elas não precisaram ir a um hospital, o que pode aumentar significativamente o número de casos.

“Infelizmente não há modelo matemático no mundo que seja capaz de prever essas subnotificações e por isso elas influenciarão no que temos nos dados reais. No entanto, esses modelos são importantes para que os gestores possam tomar medidas preventivas – como quarentenas, isolamento social ou lockdown”, disse que o professor.

No dia 22 de maio, o Procurador Geral do Município de Viana, Marx Frederich Costa disse em entrevista ao Jornal da Maracu 1ª Edição, que o número de casos de Coronavírus em Viana é proporcional se comparado ao número de habitantes da cidade. Ao Portal Matraca, o pesquisador explicou o porquê.

“O modelo matemático que usei para realizar essa estimativa, chamado modelo SIR (Susceptível, Infectado e Recuperado), o qual tem sido usado em muitos estudos, aponta nessa direção mesmo. Em uma pandemia, como a do novo coronavírus, espera-se que a curva de contágio cresça em uma taxa muito alta, alcance um pico e depois diminua, porque ou as pessoas se recuperam e ganham imunidade, ou infelizmente faleceram por conta do vírus”, explicou o professor.

Vale ressaltar que a simulação levou em consideração uma situação hipotética onde as pessoas levariam uma vida normal em meio à pandemia. Nessa situação, Viana poderia registrar a mais de 18.000 infectados no pico do contágio.

“Agora partamos do pressuposto que cerca de 1% desses 18 mil infectados no pico fossem pacientes em estado grave e precisassem do nosso sistema de saúde? O que aconteceria? Teríamos cerca de 180 pacientes internados em estado grave em nosso município, necessitando de respiradores. Felizmente, os dados atuais apontam que passamos pelo pico de contágio aproximadamente no vigésimo dia de notificação, com apenas 138 pessoas ativas, e um total de 202 contaminados naquele dia. Sem dúvidas, as medidas de isolamento fizeram com que a curva fosse achatada, salvando a população de um desastre”, revela o professor.

Ao avalia as medidas tomadas por outros municípios sem a realização de estudos e base de dados, o professor adverte que as medidas tenderão a se tornar confusas por parte dos gestores, pois sem ter uma compreensão clara do que os dados informam, tais gestores não poderão tomar decisões acertadas.

“Isso pode passar insegurança para a população, principalmente para aqueles que fazem a economia girar, como já acontece em muitas cidades do país. Estudos como esses ajudam os gestores a tomar medidas de relaxamento de uma forma responsável, liberando setores da sociedade à medida que observa-se a evolução da curva de contágio, primeiro com serviços essenciais, mais para frente comércio em geral, depois igrejas, escolas e assim por diante”, explicou.

Portal Matraca

200 Visualizações

Publicada em 29/05/2020 19:39:30

FAMEM © 2018 - Todos os direitos reservados